Norma Regulamentadora – NR 7 – PCMSO


Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional: Estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 168 e 169 da CLT.

 

 

7.1. Do objeto.

7.1.1. Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de

Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores.

7.1.2. Esta NR estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observados na execução do PCMSO, podendo os mesmos ser ampliados mediante negociação coletiva de trabalho.

7.1.3. Caberá à empresa contratante de mão-de-obra prestadora de serviços informar a empresa contratada dos riscos existentes e auxiliar na elaboração e implementação do PCMSO nos locais de trabalho onde os serviços estão sendo prestados.

7.2. Das diretrizes.

7.2.1. O PCMSO é parte integrante do conjunto mais amplo de iniciativas da empresa no campo da saúde dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais NR.

7.2.2. O PCMSO deverá considerar as questões incidentes sobre o indivíduo e a coletividade de trabalhadores, privilegiando o instrumental clínico-epidemiológico na abordagem da relação entre sua saúde e o trabalho.

7.2.3. O PCMSO deverá ter caráter de prevenção, rastreamento e diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza subclínica, além da constatação da existência de casos de

doenças profissionais ou danos irreversíveis à saúde dos trabalhadores.

7.2.4. O PCMSO deverá ser planejado e implantado com base nos riscos à saúde dos trabalhadores, especialmente os identificados nas avaliações previstas nas demais NR.

7.3. Das responsabilidades.

7.3.1. Compete ao empregador:

a) garantir a elaboração e efetiva implementação do PCMSO, bem como zelar pela sua eficácia; (107.001-0 / I2)

b) custear sem ônus para o empregado todos os procedimentos relacionados ao PCMSO; (107.046-0)

c) indicar, dentre os médicos dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho – SES0MT, da empresa, um coordenador responsável pela execução do PCMSO; (107.003-7 / I1)

d) no caso de a empresa estar desobrigada de manter médico do trabalho, de acordo com a NR 4, deverá o empregador indicar médico do trabalho, empregado ou não da empresa, para coordenar o PCMSO; (107.004-5 / I1)

e) inexistindo médico do trabalho na localidade, o empregador poderá contratar médico de outra especialidade para coordenar o PCMSO. (107.005-3 / I1)

7.3.1.1. Ficam desobrigadas de indicar médico coordenador as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo o Quadro 1 da NR 4, com até 25 (vinte e cinto) empregados e aquelas de grau de risco 3 e 4, segundo o Quadro 1 da NR 4, com até 10 (dez) empregados.

7.3.1.1.1. As empresas com mais de 25 (vinte e cinco) empregados e até 50 (cinqüenta) empregados, enquadradas no grau de risco 1 ou 2, segundo o Quadro 1 da NR 4, poderão estar desobrigadas de indicar médico coordenador em decorrência de negociação coletiva.

7.3.1.1.2. As empresas com mais de 10 (dez) empregados e com até 20 (vinte) empregados, enquadradas no grau de risco 3 ou 4, segundo oQuadro 1 da NR 4, poderão estar desobrigadas de indicar médico do trabalho coordenador em decorrência de negociação coletiva, assistida por profissional do órgão regional competente em segurança e saúde no trabalho.

7.3.1.1.3. Por determinação do Delegado Regional do Trabalho, com base no parecer técnico conclusivo da autoridade regional competente em matéria de segurança e saúde do trabalhador, ou em decorrência de negociação coletiva, as empresas previstas no item

7.3.1.1 e subitens anteriores poderão ter a obrigatoriedade de indicação de médico coordenador, quando

suas condições representarem potencial de risco grave aos trabalhadores.

7.3.2. Compete ao médico coordenador:

a) realizar os exames médicos previstos no item 7.4.1 ou encarregar os mesmos a profissional médico familiarizado com os princípios da patologia ocupacional e suas causas, bem como com o ambiente, as condições de trabalho e os riscos a que está ou será exposto cada trabalhador da empresa a ser examinado; (107.006-1 / I1)

b) encarregar dos exames complementares previstos nos itens, quadros e anexos desta NR profissionais e/ou entidades devidamente capacitados, equipados e qualificados. (107.007-0 / I1)

7.4. Do desenvolvimento do PCMSO.

7.4.1. O PCMSO deve incluir, entre outros, a realização obrigatória dos exames médicos:

a) admissional; (107.008-8 / I3)

b) periódico; (107.009-6 / I3)

c) de retorno ao trabalho; (107.010-0 / I3)

d) de mudança de função; (107.011-8 / I3)

e) demissional. (107.012-6 / I3)

7.4.2. Os exames de que trata o item 7.4.1 compreendem:

a) avaliação clínica, abrangendo anamnese ocupacional e exame físico e mental; (107.013-4 / I1)

b) exames complementares, realizados de acordo com os termos específicos nesta NR e seus anexos. (107.014-2 / I1)

7.4.2.1. Para os trabalhadores cujas atividades envolvem os riscos discriminados nos Quadros I e II desta NR, os exames médicos complementares deverão ser executados e interpretados com base nos critérios constantes dos referidos quadros e seus anexos. A periodicidade de avaliação dos indicadores biológicos do Quadro I deverá ser, no mínimo, semestral, podendo ser reduzida a critério do médico coordenador, ou por notificação do médico agente da inspeção do trabalho, ou mediante negociação coletiva de trabalho. (107.015-0 / I2)

7.4.2.2. Para os trabalhadores expostos a agentes químicos não-constantes dos Quadros I e II, outros indicadores biológicos poderão ser monitorizados, dependendo de estudo prévio dos aspectos de validade toxicológica, analítica e de interpretação desses indicadores. (107.016-9 / I1)

7.4.2.3. Outros exames complementares usados normalmente em patologia clínica para avaliar o funcionamento de órgãos e sistemas orgânicos podem ser realizados, a critério do médico coordenador ou encarregado, ou por notificação do médico agente da inspeção do trabalho, ou ainda decorrente de negociação coletiva de trabalho. (107.017-7 / I1)

7.4.3. A avaliação clínica referida no item 7.4.2, alínea “a”, com parte integrante dos exames médicos constantes no item 7.4.1, deverá obedecer aos prazos e à periodicidade conforme previstos nos subitens abaixo relacionados:

7.4.3.1. no exame médico admissional, deverá ser realizada antes que o trabalhador assuma suas atividades; (107.018-5 / I1)

7.4.3.2. no exame médico periódico, de acordo com os intervalos mínimos de tempo abaixo discriminados:

a) para trabalhadores expostos a riscos ou a situações de trabalho que impliquem o desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles que sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos:

a.1) a cada ano ou a intervalos menores, a critério do médico encarregado, ou se notificado pelo médico agente da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado de negociação coletiva de trabalho; (107.019-3 / I3)

a.2) de acordo com à periodicidade especificada no Anexo n.º 6 da NR 15, para os trabalhadores expostos a condições hiperbáricas; (107.020-7 / I4)

b) para os demais trabalhadores:

b.1) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e cinco) anos de idade; (107.021-5 / I2)

b.2) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta e cinco) anos de idade. (107.022-3 / I1)

7.4.3.3. No exame médico de retorno ao trabalho, deverá ser realizada obrigatoriamente no primeiro dia da volta ao trabalho de trabalhador ausente por período igual ou superior a 30 (trinta) dias por motivo de doença ou acidente, de natureza ocupacional ou não, ou parto. (107.023-1 / I1)

7.4.3.4. No exame médico de mudança de função, será obrigatoriamente realizada antes da data da mudança.

(107.024-0 / I1)

7.4.3.4.1. Para fins desta NR, entende-se por mudança de função toda e qualquer alteração de atividade, posto de trabalho ou de setor que implique a exposição do trabalhador à risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança.

7.4.3.5. No exame médico demissional, será obrigatoriamente realizada até a data da homologação, desde que o último exame médico ocupacional tenha sido realizado há mais de: (107.047-9)

* 135 (centro e trinta e cinco) dias para as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo o Quadro I da NR 4;

* 90 (noventa) dias para as empresas de grau de risco 3 e 4, segundo oQuadro I da NR 4.

7.4.3.5.1. As empresas enquadradas no grau de risco 1 ou 2, segundo oQuadro I da NR 4, poderão ampliar o prazo de dispensa da realização do exame demissional em até mais 135 (cento e trinta e cinco) dias, em decorrência de negociação coletiva, assistida por profissional indicado de comum acordo entre as partes ou por profissional do órgão regional competente em segurança e saúde no trabalho.

7.4.3.5.2. As empresas enquadradas no grau de risco 3 ou 4, segundo oQuadro I da NR 4, poderão ampliar o prazo de dispensa da realização do exame demissional em até mais 90 (noventa) dias, em decorrência de negociação coletiva assistida por profissional indicado de comum acordo entre as partes ou por profissional do órgão regional competente em segurança e

saúde no trabalho.

7.4.3.5.3. Por determinação do Delegado Regional do Trabalho, com base em parecer técnico conclusivo da autoridade regional competente em matéria de segurança e saúde do trabalhador, ou em decorrência de negociação coletiva, as empresas poderão ser obrigadas a realizar o exame médico demissional independentemente da época de realização de qualquer outro exame, quando suas condições representarem potencial de risco grave aos trabalhadores.

7.4.4. Para cada exame médico realizado, previsto no item 7.4.1, o médico emitirá o Atestado de Saúde Ocupacional – ASO, em 2 (duas) vias.

7.4.4.1. A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalhador, inclusive frente de trabalho ou canteiro de obras, à disposição da fiscalização do trabalho. (107.026-6 / I2)

7.4.4.2. A segunda via do ASO será obrigatoriamente entregue ao trabalhador, mediante recibo na primeira via. (107.027-4 / I2)

7.4.4.3. O ASO deverá conter no mínimo:

a) nome completo do trabalhador, o número de registro de sua identidade e sua função; (107.048-7 / I1)

b) os riscos ocupacionais específicos existentes, ou a ausência deles, na atividade do empregado, conforme instruções técnicas expedidas pela Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho-SSST; (107.049-5 / I1)

c) indicação dos procedimentos médicos a que foi submetido o trabalhador, incluindo os exames complementares e a data em que foram realizados; (107.050-9 / I1)

d) o nome do médico coordenador, quando houver, com respectivo CRM; (107.051-7 / I2)

e) definição de apto ou inapto para a função específica que o trabalhador vai exercer, exerce ou exerceu; (107.052-5 / I2)

f) nome do médico encarregado do exame e endereço ou forma de contato; (107.053-3 / I2)

g) data e assinatura do médico encarregado do exame e carimbo contendo seu número de inscrição no Conselho Regional de Medicina. (107.054-1 / I2)

7.4.5. Os dados obtidos nos exames médicos, incluindo avaliação clínica e exames complementares, as conclusões e as medidas aplicadas deverão ser registrados em prontuário clínico individual, que ficará sob a responsabilidade do médico-coordenador do PCMSO. (107.033-9 / I3)

7.4.5.1. Os registros a que se refere o item 7.4.5 deverão ser mantidos por período mínimo

de 20 (vinte) anos após o desligamento do trabalhador. (107.034-7 / I4)

7.4.5.2. Havendo substituição do médico a que se refere o item 7.4.5, os arquivos deverão ser transferidos para seu sucessor. (107.035-5 / I4)

7.4.6. O PCMSO deverá obedecer a um planejamento em que estejam previstas as ações de saúde a serem executadas durante o ano, devendo estas ser objeto de relatório anual. (107.036-3 / I2)

7.4.6.1. O relatório anual deverá discriminar, por setores da empresa, o número e a natureza dos exames médicos, incluindo avaliações clínicas e exames complementares, estatísticas de resultados considerados anormais, assim como o planejamento para o próximo ano, tomando como base o modelo proposto no Quadro III desta NR. (107.037-1 / I1)

7.4.6.2. O relatório anual deverá ser apresentado e discutido na CIPA, quando existente na empresa, de acordo com a NR 5, sendo sua cópia anexada ao livro de atas daquela comissão. (107.038-0 / I1)

7.4.6.3. O relatório anual do PCMSO poderá ser armazenado na forma de arquivo informatizado, desde que este seja mantido de modo a proporcionar o imediato acesso por parte do agente da inspeção do trabalho. (107.039-8 / I1)

7.4.6.4. As empresas desobrigadas de indicarem médico coordenador ficam dispensadas de elaborar o relatório anual.

7.4.7. Sendo verificada, através da avaliação clínica do trabalhador e/ou dos exames constantes do Quadro I da presente NR, apenas exposição excessiva (EE ou SC+) ao risco, mesmo sem qualquer sintomatologia ou sinal clínico, deverá o trabalhador ser afastado do local de trabalho, ou do risco, até que esteja normalizado o indicador biológico de exposição e as medidas de controle nos ambientes de trabalho tenham sido adotadas. (107.040-1 / I1)

7.4.8. Sendo constatada a ocorrência ou agravamento de doenças profissionais, através de exames médicos que incluam os definidos nesta NR; ou sendo verificadas alterações que revelem qualquer tipo de disfunção de órgão ou sistema biológico, através dos exames constantes dos Quadros I (apenas aqueles com interpretação SC) e II, e do item 7.4.2.3 da presente NR, mesmo sem sintomatologia, caberá ao médico-coordenador ou encarregado:

a) solicitar à empresa a emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT; (107.041-0 / I1)

b) indicar, quando necessário, o afastamento do trabalhador da exposição ao risco, ou do trabalho; (107.042-8 / I2)

c) encaminhar o trabalhador à Previdência Social para estabelecimento de nexo causal, avaliação de incapacidade e definição da conduta previdenciária em relação ao trabalho; (107.043-6 / I1)

d) orientar o empregador quanto à necessidade de adoção de medidas de controle no ambiente de trabalho. (107.044-4 / I1)

7.5. Dos primeiros socorros.

7.5.1. Todo estabelecimento deverá estar equipado com material necessário à prestação dos primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desenvolvida; manter esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa treinada para esse fim. (107.045-2 / I1)

About these ads

39 responses to this post.

  1. [...] 22.3.6- Cabe à empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira elaborar e implementar o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional – PCMSO, conforme estabelecido na Norma Regulamentadora nº. 7. [...]

    Resposta

  2. [...] Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO 32.2.3.1 O PCMSO, além do previsto na NR-07, e observando o disposto no inciso I do item 32.2.2.1, deve [...]

    Resposta

  3. [...] a exames médicos específicos para a função que irá desempenhar, conforme estabelecem as NRs 07 e 31, incluindo os fatores de riscos psicossociais com a emissão do respectivo Atestado de [...]

    Resposta

  4. Posted by valéria on 16/03/2009 at 5:25 AM

    Boa noite! sou universitária do curso tecnologo em segurança no trabalho´.Estudando sobre as NRs achei muito importante ler sobre a nr-7.Lá mostra o quanto é importante os exames periodicos alem,das ginasticas laboral,onde trabalha todo o pessoal,para as disposições da jornada de trabalho,combate tambemo: estresse,fadiga,indisposiçao e etc.Combatendo acima de tudo os acidentes de trabalho.

    Resposta

  5. Posted by valéria on 16/03/2009 at 5:30 AM

    Olá amigos !amei esse site com espaço para comentários em aberto ao público online.recomendarei a outras pessoas.

    Valéria Sá

    Beijos

    Resposta

    • Que bom que gostou Valéria!
      A idéia foi essa mesmo… Se fazer valer de um espaço onde podemos interagir, trocando informações e experiências.
      Fique a vontade para fazer uso dele. Ele também é seu.

      Abraço
      Rodrigo

      Resposta

  6. Olá! Sou estudante do curso de Tecnólogo em Recursos Humanos e adorei estas informações, muito bom esntender sobre as Nr´s e quanto são importantes na vida do trabalhador.

    Sds,

    Kellem

    Resposta

  7. PARABENS, PELO BRILHANTE TRABALHO.
    SOU SINDICA NUM CONDOMINIO RESIDENCIAL E TENHO UMA DUVIDA:
    A CASA DO ZELADOR NAO TEM VENTILACAO NEM LUMINOSIDADE SUFICIENTE, O Q SEGUNDO COMENTARIOS GERA INSALUBRIDADE.
    PERGUNTO:
    EXISTE NR Q ENQUADRA ESSA INSALUBRIDADE???
    OBRIGADA
    ONEIDE

    Resposta

    • Oneide, Embora o ambiente tenha característica não salutar este caso representa uma desconformidade em termos de moradia previsto em técnicas de construção e afeito a normas habitacionais, a Legislação Trabalhista disposta nas NRs da Portaria 3214/78 e especificamente da NR15 (Atividades e Operações Insalubres) dispões sobre atividade laborais, sendo assim não há nenhum enquadramento nesse caso como “atividade” insalubre.
      Grato
      Rodrigo

      Resposta

  8. NESTE CASO, SE A INSALUBRIDADE FOR CONSTATADA, ELA NAO TERA DIREITO A NENHUM PERCENTUAL…. (IMORAL…MAS LEGAL????)
    OBRIGADA.
    ONEIDE

    Resposta

    • Pela sua pergunta não entendeu as informações dadas anteriormente. O fato do funcionário dormir em local não salutar não caracteriza sua atividade como insalubre.
      Vou dar um exemplo do que poderia caracterizar a atividade desse funcionário como insalubre, vamos supor que o funcionário faça em sanitários, sua atividade nesse caso seria insalubre devido a agentes biológicos, entretanto se você fornecer um EPI, quer seja luva de PVC, este procedimento neutraliza sua exposição ao agente insalubre, de acordo com a NR 6 você não teria que pagar adicional de insalubridade.

      Resposta

  9. Posted by edson on 19/05/2009 at 11:32 PM

    qual a veracidade da informação de que os proficionais da area de solda devem tomar leite antes e depois das atividades de um turno de trabalho, existe uma lei regulamente esta situação, mesmo em ambiente de apenas um soldador.

    Resposta

    • Edson

      Não existe verdade nesta afirmativa, nem Legislação que estabeleça a ingestão de Leite com esse objetivo, muito pelo contrario se for servido fora do refeitório ou em local inapropriado a empresa pode ser autuada .
      O fato é que o leite é um simples alimento, foi utilizado erroneamente durante um período em empresas como elemento desintoxicante principalmente em actividades com vapores químicos (Galvanoplastia, entre outras), com o agravante de ser tomado no próprio local de trabalho onde sua gordura absorve os elementos contaminantes que são ingeridos pelo trabalhadores.
      Sendo assim em algumas empresas o trabalhador adquiriu o direito de receber o leite gratuitamente por exigência sindical, o que deve ser feito em local apropriado como por exemplo refeitório deixando claro que esta sendo fornecido como alimento.

      Abraço
      Rodrigo

      Resposta

  10. Posted by edson on 21/05/2009 at 9:21 PM

    obrigado pelo pronto atendimento,estou satisfeito com sua resposta

    Resposta

  11. OBRIGADA P/ ESCLARECIMENTO.. SUCESSO … MUITO SUCESSO.

    Resposta

  12. Posted by PAULA RIBEIRO on 22/05/2009 at 6:56 PM

    OLÁ RODRIGO, PARABENIZO POR ESTE BRILHANTE TRABALHO.

    TRABALHO NO SETOR PESSOAL DE UMA CLINICA, TENHO FUNCIONARIOS QUE APÓS O LAUDO DO PCMSO PERDERAM O DIREITO DA INSALUBRIDADE, POIS NÃO ESTÃO ENQUADRADOS NA NR 15 ANEXO 14, A MINHA DÚVIDA É: SE DEVEMOS TIRAR A INSALUBRIDADE DOS QUE RECEBEM HÁ MAIS DE 20 ANOS?

    UM ABRAÇO,

    PAULA RIBEIRO

    Resposta

    • Só justificaria continuar pagando se fosse o caso de direito adquirido, mas
      no caso de Adicional de Insalubridade a lei é clara “Cessa o direito do
      Adicional quando deixa de existir a exposição ao agente insalubre (ver
      NR15….), se for esse o caso a Empresa tem todo o direito de deixar de
      pagar.
      Entretanto, é bom estar atento, usar o bom senso e fazê-lo de forma a
      não criar um clima ruim entre patrão e empregado.

      Resposta

  13. Posted by Demetrio Bittar Neto on 25/05/2009 at 9:02 PM

    Senhores

    Desde já agradecemos este canal de educação ,e também de respeito aos trabalhadores.
    Aprendi com os Senhores , que o tempo do exame demissional deverá a empresa guardar no mínimo por 20 anos.
    Gostaria de saber a data que foi intituído esta obrigatoriedade.

    Atenciosamente , abraços

    Resposta

  14. Posted by Janaina on 30/06/2009 at 5:18 PM

    Olá! eu sou estudante do curso técnico de segurança do trabalho, e gostaria de saber quais são os elementos a serem considerados no PCMSO?

    Ficarei muito grata se puder me ajudar.
    PARABENS PELO TRABALHO

    OBRIGADO

    Resposta

  15. Posted by Janaina on 02/07/2009 at 5:01 PM

    Olá! eu sou estudante do curso técnico de segurança do trabalho, e gostaria de saber quais são os elementos a serem considerados no PCMSO?

    Ficarei muito grata se puder me ajudar.
    PARABENS PELO TRABALHO

    OBRIGADO

    Resposta

  16. Posted by Fabuila on 02/07/2009 at 5:07 PM

    parabens pelo trabalho.

    Resposta

  17. Posted by caroline on 02/07/2009 at 11:39 PM

    Estou cursando Segurança do Trabalho e Gostaria de saber se tem como eu conseguir um resumo de todas as NR`S com os pontos principais e mais importantes.
    Desde já agradeço
    Aguardo resposta

    Resposta

  18. Posted by Jediel on 07/07/2009 at 2:41 PM

    Amigo, tem como consegui as normas regulamentadoras comentadas

    Resposta

  19. Posted by luiz ferreira jacinto on 25/07/2009 at 12:16 PM

    sou enfermeiro do trabalho, e atualmente faço outra graduação em tecnologo segurança do trabalho, atualmnete vejo que são poucas empresas que se preocupam em ter esses profissionais em sua empresa como : engenheiro, medico enfermeiro o auxiliar e o tecnico em segurança do trabalho, na maioria das os tem, silplesmente para cumprir as leis, mas na realidade nõa dão condições de trabalho para esses profissionais, tentam burlar as leis dando sempre um jeitinho, lhes digo isso por je ter enfrentado esta situação, pergunto quando sera que teremos a felicidade de se fazer tudo corretamente como aprendemos, e deixaremos o faz de conta QUE FAÇO E VOCE FAZ DE CONTA QUE ESTA BOM, ACHO que deveria haver mais fiscalizações nas empresa principalmente no interiores onde o acesso e dificil, perdoe-me o desabafo

    Resposta

  20. Posted by LUDIMILA on 21/08/2009 at 10:22 AM

    Olá,
    Trabalho em um laboratória de microbilogia, com expoxição habitual e permanente a agentes biológicos. tais como: bactérias, fungos, e gostaria de saber se o anbiente é realmente insalubre, se for qual o grau. e se for usados EPIS atenua a exposição e não tem direito ao adicional.
    obrigada e desde já parabenizo a iniciativa do site.
    Ludimila

    Resposta

  21. Posted by SILVANA DE BRITO E SILVA on 23/09/2009 at 12:30 PM

    gostaria de saber qual a importancia do tecnico em segurança do trabalho ter dominio e conhecimento sobre a norma regulamentadora 7.

    Resposta

  22. Posted by Patrícia on 23/10/2009 at 12:00 AM

    GOSTARIA DE SABER O QUE DIZ EXATAMENTE NA NR 7 SOBRE O PRONTUÁRIO CLÍNICO DO TRABALHADOR?

    Resposta

  23. Posted by Andreia on 18/11/2009 at 1:09 PM

    Olá,
    Gostei desse site que vai me ajudar muito. Sou estudante de administração e trabalho no RH de uma contabilidade, farei minha monografia sobre a importância do exame admissional nas empresas. Desde ja agradeço.

    Resposta

  24. Posted by Ana Paula Cabral on 19/11/2009 at 5:02 PM

    Olá, trabalho em uma empresa que não é obrigada a ter o médico do trabalho como funcionário, porém contratamos uma empresa para elaborar o PCMSO. Em uma das partes consta um treinamento em primeiros socorros fundamentado na NR7 item 7.5.1, porém ao verificar este item só notei a obrigação de manter material necessário para primeiros socorros e não um treinamento realizado por médico. Gostaria de saber se realmente sou obrigada a realizar esse treinamento na empresa e se só um médico pode realizar tal treinamento, não poderia ser um agente do corpo de bombeiros por exemplo, e este assinar no PCMSO?

    Agradeço muito se puder esclarecer estes fatos.

    Resposta

  25. Posted by Jorge Roberto Carvalho Frias on 21/11/2009 at 9:40 PM

    Estou fazendo um curso de técnico de segurança do trabalho, vc me aconselha algum site com as NRs comentadas. Parabens pelo canal .

    Resposta

  26. Posted by Edivania on 11/03/2010 at 4:47 PM

    Ola!! sou Edy, estudante do cusro Tecnólogo em Segurança no Trabalho pela UNIVERSIDADE UNIASSELVI Gandu – Bahia, sou apaixonada pela area é tudo de bom, tenho todas as NRs estou sempre lendo e buscando mais conhecimento, fiquei feliz em saber que tem profissionais que responde as perguntas assim como vc.
    Foi um prazer conhecer seu trabalho muito bom… ESTE É MEU EMAIL (edygaby@bol.com.br) se for possivel gostaria que mandase novidades recentes.
    Desde já agradeco, um grande beijo.

    Edy

    Resposta

  27. Posted by marcos on 22/07/2010 at 3:43 PM

    rodrigo
    queria saber qual a importancia de um tecnico de segurança do trabalho ter dominio e conhecimento sobre a Nr 07?
    séra grata sua opinião.

    Resposta

  28. Posted by Alexandre Lopes on 15/11/2010 at 2:17 PM

    Pessoal, estou precisando de ajuda para elaborar um trabalho, conforme descrito abaixo:

    Analise descritiva da NR 7
    1) Princípios gerais.
    2) Descrição sobre o foco de Aplicabilidade.
    3) Exigências Fundamentais.
    4) Fragilidades (Para utilização, Manutenção, Controle, Fiscalização)

    NR 15
    1) Princípios gerais.
    2) Descrição sobre o foco de Aplicabilidade.
    3) Exigências Fundamentais.
    4) Fragilidades (Para utilização, Manutenção, Controle, Fiscalização)

    Resposta

  29. Posted by Vicente on 11/05/2011 at 6:43 PM

    Caro Rodrigo,

    Trabalho em Industria Textil com 850 funcionarios. Nossa Equipe especializada é composta por dois médicos do trabalho em regime parcial, só que um e funcionário e médico coordenador do PCMSO e o outro é terceirizado. Concluímos o PCMSO2011 sendo que o médico coordenador tirou férias e não atentamos para ofato de que o mesmo não validou, ou seja, não assinou o documento. A dúvida é: O médico terceirizado poderá assinar tal documento, mesmo não sendo o médico coordenador??

    Grato por um retorno!!

    Resposta

    • Bom dia Vicente;

      O médico Coordenador é o responsável por elaborar o Programa de Controle Médico e Saúde ocupacional da Empresa. Caso o médico tercerizado assine o PCMSO, ele passa a ser o responsável pelo programa. Não ha nenhuma implicação legal, mas fica a sugestão para que se aguarde o retorno do atual médico coordenador.

      Resposta

  30. BOM DIA AMIGOS,PRECISO DE UM ARTIGO QUE OSTRE ALGUM ESTUDO SOBRE O USO DO LEITE COMO AGENTE DESINTOXICANTE PARA POEIRA,POIS ESTAREI FAZENDO ESTÁGIO EM UMA EMPRESA QUE SUSPENDEU O FORNECIMENTO DE LEITE PARA FUNCIONARIOS QUE TRABALHAM DIRETAMENTE COM A POEIRA E ALTA TEMPERATURAS…AGUARDO.

    Resposta

  31. Posted by Samya Avancini Feliciano Ferreira on 27/08/2012 at 3:31 PM

    O que significa este numero no PCMSO??? 107.045-2 / I1

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 268 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: